Feeds:
Posts
Comentários

Clique na imagem para ver em tamanho maior

01010100 01110101 01100100 01101111 00100000 11101001 00100000 01101101 01100101 01101110 01110100 01100001 01101100 00101100 00100000 01110110 01101111 01100011 11101010 00100000 11101001 00100000 01101111 00100000 01000100 01100101 01110101 01110011 00100000 01100101 00100000 01100001 00100000 01100011 01110010 01101001 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 11101001 00100000 01110011 01110101 01100001 00100001
Bonus:

Interprete como quiser.

Realmente impressionante!

Links Mayhem (2)

Teoria da Conspiração – Diferença entre Religião e Espiritualidade

Paradigma Divino – O Aprendizado e o Mestre

Hermetic Rose – Hermes e o Caibalion

Textos para Reflexão – Tempo Oculto

Artigo 19 – Hochma

Não está sendo fácil – A Psicomagia de Alejandro Jodorowsky

Jedi Teraphim – A Metáfora, por Joseph Campbell

O Véu de Maia

O Alvorecer – A Simbologia de um Eclipse

Autoconhecimento, Tecnologia e Liberdade – Geração Coca-Cola

Idéia Biruta – Algo Ama

Tudo sobre Magia e Ocultismo – Informações sobre a Arruda

Eu tô pensando – Reino dos Céus: Onde está?

Labirinto da Mente – Donald: Matemática e Música

Legio Mundi – As Sereias e os mares de Netuno

POR este Motivo é o Poeta chamado uma Encarnação do Zeitgeist, isto é, do Espírito ou Vontade da Sua Época. Assim, todo Poeta é também um Profeta, porque quando aquilo que ele diz é reconhecido como a Expressão do Pensamento deles mesmos pelos Homens, eles convertem isso em Ação; de forma que, na Fala de Gente vulgar e ignorante, “aquilo que ele profetizou se cumpre.” Ora, o Poeta é o Intérprete dos Hieróglifos da Vontade Oculta do Homem em muitos Assuntos, alguns superficiais, alguns profundos, conforme lhe seja dado fazer. Além do mais, não é bem na Mensagem de qualquer dos seus Poemas, mas antes no Sabor quintessencial do Poeta, que tu deves buscar esta Profecia. E isto é uma Arte mui necessária a todo Estadista. Quem senão Shelley profetizou a queda do Cristianismo, e a Organização do Trabalho, e a Liberdade da Mulher; quem senão Nietsche declarou o Princípio que foi a Raiz da Guerra Mundial? Vês então claramente que nestes Homens estavam as Chaves dos Escuros Portais do Futuro; não deveriam os Reis e seus Ministros ter prestado atenção a eles, cumprindo-lhes a Palavra sem Conflito?

O Sagrado Feminino

“O período neolítico não conhecia deuses – vigorava o matriarcado, com a Deusa-Mãe. O conceito de paterno inexistia e a moral, a ciência e a religião ocupavam a mesma esfera. Com a instituição do patriarcado, o cálice foi derramado através da espada, relegando o elemento feminino. Com o fim da era de Peixes, tipicamente masculina, o reinado feminino retorna em Aquário para resgatar Sofia, o arquétipo da Sabedoria. Assim como o Taoísmo primitivo, todas as religiões ancestrais visualizavam o Universo como uma generosa Mãe. Nada mais natural: não é do ventre delas que saímos? De acordo com o mito universal da Criação, tudo teria saído dela. Entre os egípcios, era chamada de Nuit, a Noite. “Eu sou o que é, o que será e o que foi.” Para os gregos era Gaia – Mãe de tudo, inclusive de Urano, o Céu. Entretanto, ela não era apenas fonte de vida, como também senhora da morte. O culto a Grande- Mãe era a religião mais difundida nas sociedades primitivas. Descobertas arqueológicas realizadas em sítios neolíticos testificam a existência de uma sociedade agrícola pré-histórica bastante avançada, na região da Europa e Oriente Médio, onde homens e mulheres viviam em harmonia e o culto à Deusa era a religião. Não há evidências de armas ou estruturas defensivas, onde se conclui que esta era uma sociedade pacífica. Também não há representações, em sua arte, de guerreiros matando-se uns aos outros, mas pinturas representando a natureza e uma grande quantidade de esculturas representando o corpo feminino. Essas esculturas também foram encontradas em Creta, datadas de 2.000 a.C. Na sociedade cretense as mulheres exerciam as mais diversas profissões, sendo desde sacerdotisas até chefes de navio. Platão conta que nesta sociedade, a última matrifocal de que se tem notícia, toda a vida era permeada por uma ardente fé na natureza, fonte de toda a criação e harmonia. Segundo historiadores, a passagem para o patriarcado deu-se em várias esferas. Na velha Europa, a sociedade que cultuava a Deusa foi vítima do ataque de poderosos guerreiros orientais – os kurgans. O Cálice foi derrubado pelo poder da Espada. Outro fator decisivo para tal transformação foi o crescimento da população, que levou as sociedades arcaicas à “domesticação da terra”. Os homens tinham que dominar a natureza, para obrigá-la a produzir o que queriam. Com a descoberta de que o sêmen do homem é que fecunda a mulher (acreditava-se que esta gerasse filhos sozinha), estabeleceu-se o culto ao falo, sendo este difundido pela Europa, Egito, Grécia e Ásia, atingindo o seu ápice na Índia. Com o advento do monoteísmo, e patriarcado – e a conseqüente dominação da mulher -o culto ao falo estabeleceu-se em definitivo. “O monoteísmo não é apenas uma religião, é uma relação de poder. A crença numa única divindade cria uma hierarquia – de um Deus acima dos outros, do mais forte sobre o mais fraco, do crente sobre o não-crente.”

Jeová, Deus dos Hebreus, em cujos mandamentos assentam-se as raízes da nossa civilização judaico-cristã – é o melhor exemplo do Deus patriarcal. Ele é um Deus patriarcal. Ele é um Deus guerreiro, que esmaga os inimigos do seu povo eleito com toda a sua força poderosa, esperando em troca fidelidade e obediência aos seus mandamentos. Ele trabalha com o medo. O mito de Lilith mostra bem essa passagem do matriarcado para o patriarcado. Recusando-se a submeter-se à Adão, tentava igualdade com ele. “Por que devo deitar-me sob ti?” -ela questiona, e é punida por Jeová, que envia um anjo para expulsá-la do Paraíso. Blasfemando e criando asas, numa demonstração de liberdade, Lilith abandona o Paraíso e voa para o Mar Vermelho, onde dá início a uma dinastia de demônios. Mas Adão fica, e sente-se só. Jeová então cria Eva, a mulher, condenada eternamente à inferioridade. Como enunciava Santo Agostinho, a mulher não era a imagem de Deus – apenas o homem era. Ela era, no máximo, a imagem de uma costela. Embora a personagem do Deus cristão seja bem mais suave do que seu antecessor – o Deus de Jesus é piedoso e compreensivo, enquanto Jeová distribui medo e castigos, na opinião de muitos a totalidade feminina encontra-se cindida na mitologia cristã: maternidade e sexualidade. A Virgem e Maria Madalena. Nos Evangelhos Apócrifos, Madalena é tida como líder ativa no discipulado de Cristo. O Evangelho de Felipe realça a união do homem e da mulher como símbolo de cura e paz, e estende-se ao relacionamento de Cristo e Madalena, a companheira do Salvador. Contrapondo-se à figura de Madalena, a Virgem está associada apenas ao lado maternal do feminino, estático e protetor.

Sempre retratada através da Virgem, de Madalena, Hera, Ísis, Deméter, Atena, Diana, a Lua,a Natureza, Hécate, Afrodite, Lilith e tantas outras, a figura da Deusa vem ressurgindo, cada vez mais e com mais força…”

(Claudiney Prieto – Wicca, a Religiao Da Deusa)

Links Mayhem

Projeto Mayhem foi criado em Março de 2010 como centro de debates e discussões sobre temas Ocultistas e Herméticos. Agora, toda semana, os participantes do projeto divulgam os links mais interessantes para artigos nos blogs de outros participantes:

.

.

.

Teoria da Conspiração – A Crença do Espiritualista

Labirinto da Mente – Projeção Astral com Wagner Borges

Tudo sobre Magia e Ocultismo – Tjukurrtjana: Tempo de Sonhar

Eu tô pensando – Dia dos Namorados: Lupercalia

Paradigma Divino – O Fluxo de Energia e o Caminho do Adepto

Textos para Reflexão – Reflexões sobre o Tempo (Parte 3)

Autoconhecimento, Tecnologia e Liberdade – O Poeta é um Fingidor

Hermetic Rose – Ritual

Idéia Biruta – Algo Vazio

Jedi Teraphim – Origens do Martinismo

O Alvorecer – A Greve dos Signos

Artigo 19 – Binah

Não está sendo fácil – A Experiência Plutoniana do Sefirat ha Omer

Zzurto

O Véu de Maia

Equilíbrio

“No Corpo, toda Célula é subordinada ao Controle fisiológico geral, e nós que queremos aquele Controle não indagamos se cada Unidade individual daquela Estrutura é conscientemente feliz. Mas nós cuidamos que cada uma execute sua Função, e oFracasso de mesmo umas poucas Células, ou sua Revolta, pode envolver a Morte do Organismo inteiro. Entretanto, mesmo aqui a Queixa de uns poucos, que nós chamamos Dor, é um Aviso de Perigo geral. Muitas células cumprem seu Destino por Morte Rápida, e tal sendo a sua Função, elas de maneira alguma ressentem isto. Se a Hemoglobina resistisse ao Ataque do Oxigênio, o corpo pereceria, e nem por isto a Hemoglobina se salvaria. Agora então considera a Fundo estas Coisas em tua Organização do Mundo sob a Lei da Vontade. Pois todo indivíduo no Estado deve ser perfeito em sua Função, com Contentamento, respeitando sua Tarefa particular como santa e necessária, sem cobiçar a de outro. Pois apenas assim tu podes construir um Estado Livre, cuja Vontade dirigente estará voltada unicamente ao Bem-Estar de todos.” (Aleister Crowley)