Feeds:
Posts
Comentários

PROVAVELMENTE O FIM

AC

Daath da amarelinha

Por Hamilton Cesar

O Monstro

Via mentirinhas

 

Por Dionísio Benu
Via Projeto Mayhem.

Não sei a intenção do autor ao escrever a música abaixo, mas realmente, me remeteu ao Liber 333 de Crowley: “Enquanto caminham, eles derramam água; um dia eles irrigarão o deserto, até que floresça”. Claro, não dá para dissociar nada disso da Kabballah, de onde Crowley também “bebeu” para escrever esse Liber. Mesmo que a intenção do autor não tenha nada a ver com os comentários que fiz, vale a pena “abstrair” e ver pela óptica dos comentários “viajados”. Ir até Yesod, de vez em quando, não faz mal a ninguém. Abaixo segue a letra, meus comentários sobre as estrofes ou versos e um link para ouví-la.

Sob o Sol
Sobre as nossas cabeças o sol (O sol, na Kaballah se relaciona à sefiroth Tifereth, que é a esfera do Filho. Personalidades e mitos relacionados à energia atribuída a essa esfera de consciência são: Jesus, Krishna, Apolo, Mitra, Dionísio, etc. É altamente relacionada ao chakra cardíaco e ao amor universal).
Sobre as nossas cabeças a luz (A luz é o símbolo máximo de Kether, ou a Coroa, nível de consciência  na qual o ser encontra-se no mesmo nível da consciência divina manifestada, da centelha divina presente em cada indivíduo. É o maior nível de consciência da Árvore da Vida cabalística. Depois de Kether só há o Absoluto, o Imutável, etc).
Sob as nossas mãos a criação (A principal característica divina é o poder de criar e essa dádiva é uma das mais exaltadas no espírito humano).
Sobre tudo que mais for do coração
Luz da fé que guia os fiéis
Pelo deserto sem água e sem pão
Faz de pedras um rio brotar
Faz do céu chover forte o maná (Em se falando de Kaballah, está implícito que ao atingir uma determinada esfera de consciência, a pessoa passa a ter as percepções e aptidões inatas a ela. Nada mais comum do que falar de milagres bíblicos, afinal, a Kaballah tem sua origem no judaísmo. Claro que muitos outros beberam da mesma fonte: babilônios, hindus, gnósticos e ocultistas em geral. Como um diagrama, ela é perfeitamente adaptável às culturas e pensamentos, mas mantém uma base de correlação muito forte).
Quebra o vaso de barro do teu coração (A chave da elevação da consciênca para além de Tifereth está implícita no sacrifício do homem entregando seu ego inferior ou seu eu inferior ao seu Eu Superior. Por isso se diz que em Tifereth há morte e ressurreição. O sacrifício de Jesus no cristianismo é o ápice da consciência que atinge Tifereth e ascende após a experiência. O amor é derramado, o Sagrado Coração transborda, como o Graal, para redimir o Reino, representado na Kaballah por Malkuth, a esfera das manifestações físicas).
Com o melhor vinho do teu amor (o vinho é o símbolo máximo do sangue divino, seja no cristianismo ou em religiões pagãs. No culto a Dionísio, por exemplo, se comia da carne do animal sacrificado, que simbolizava o deus, e bebia-se vinho, o sangue de Dionísio, com a finalidade de que o deus e seus seguidores vivessem em comunhão. Algo similar acontece na Eucaristia Católica e Gnóstica, usando-se pão e vinho).
Pois quer a lei que ele se perca no chão
E floresça o deserto ao seus pés
Regando as areias, recriando regatos e as luzes do Éden das flores (Malkuth, o Reino Material, pode ser visto sob muitos aspectos. Depois de uma série de filmes famosos, passou a ser vista como “Matrix”, mas também é vista como um deserto. Sua distância de Kether, ou seja da essência divina presa na concha material, cria a Vontade de elevação, ou retorno à fonte. Regar as areias, é trazer ao material o que é divino, vivificando a matéria e recriando as flores, que são a própria vida, além do mecanicismo animal dessa esfera que é: comer, dormir, ter prazer, trabalhar para ter o que comer, se cansar, dormir e ter mais um bocado de prazer sensorial…).
Na terra dos homens, no circo dos anjos, guardiões implacáveis do céu
Dançamos a dança da vida no palco do tempo, teatro de Deus (a vida, artisticamente falando é tanto uma dança, como um teatro,  sempre em movimento).
Árvore santa dos sonhos, os frutos da mente são meus e são teus ( A Árvore Santa é a Árvore da Vida, um diagrama simbólico das energias do universo, bem como dos níveis de consciência humanos. Os frutos são as esferas de consciência).
Nossos segredos guardados enfim revelados nus sob o sol
Segredos de Deus tão guardados
Enfim revelados nus sob o sol ( A Árvore da Vida representa simbolicamente os segredos da criação, logo os segredos de Deus e do homem. Conhecer a Árvore, vivenciar seus níveis de consciência, é uma peregrinação de ascenção até chegar ao nível de consciência do Criador. Durante a subida, a consciência se expande, captando os segredos da criação, que ficam então, como nus sob nossos olhos).

O conto do pássaro

Era uma vez um pássaro. Adornado com um par de asas perfeitas e plumas reluzentes, coloridas e maravilhosas. Enfim, um animal feito para voar livre e solto no céu, alegrar quem o observasse.
Um dia, uma mulher viu este pássaro e se apaixonou por ele. Ficou olhando o seu vôo com a boca aberta de espanto, o coração batendo mais rápido, os olhos brilhando de emoção. Convidou-o para voar com ela, e os dois viajaram pelo céu em completa harmonia. Ela admirava, venerava, celebrava o pássaro.
Mas então pensou: talvez ele queira conhecer algumas montanhas distantes! E a mulher sentiu medo. Medo de nunca mais sentir aquilo com outro pássaro. E sentiu inveja, inveja da capacidade de voar do pássaro.
E sentiu-se sozinha.
E pensou: “Vou montar uma armadilha. A próxima vez que o pássaro surgir, ele não mais partirá.”
O pássaro, que também estava apaixonado, voltou no dia seguinte, caiu na armadilha, e foi preso na gaiola.
Todos os dias ela olhava o pássaro. Ali estava o objeto de sua paixão, e ela mostrava para suas amigas, que comentavam: Mas você é uma pessoa que tem tudo.” Entretanto, uma estranha transformação começou a processar-se: como tinha o pássaro, e já não precisava conquistá-lo, foi perdendo o interesse. O pássaro, sem poder voar e exprimir o sentido de sua vida, foi definhando, perdendo o brilho, ficou feio  – e a mulher já não prestava mais atenção nele, apenas na maneira como o alimentava e como cuidava de sua gaiola.
Um belo dia, o pássaro morreu. Ela ficou profundamente triste, e vivia pensando nele. Mas não se lembrava da gaiola, recordava apenas o dia em que o vira pela primeira vez, voando contente entre as nuvens.
Se ela observasse a si mesma, descobriria que  aquilo que a emocionava tanto no pássaro era a sua liberdade, a energia das asas em movimento, não o seu corpo físico.
Sem o pássaro, sua vida também perdeu o sentido, e a morte veio bater à sua porta.
“Por que você veio perguntou à morte.
“Para que você  possa voar de novo com ele nos céus’; respondeu a morte. “Se o tivesse deixado partir e voltar sempre, você o amaria e o admiraria ainda mais, – entretanto, agora você precisa de mim para poder encontrá-lo de novo.”

Trecho do livro "Onze Minutos" de Paulo Coelho

93

Muita gente me pergunta o que diabos significa o “93” que algumas pessoas envolvidas com Ocultismo escrevem depois de um texto ou em qualquer lugar. Para facilitar a explicação estou copiando criando este post para uma resposta mais prática. La vai:

Noventa e três
É o valor Gemátrico da palavra grega Θελημα (Thelema), que significa Vontade e também de Aγαπη (Agape), que significa Amor.

Uso do “93” como saudação
Thelemitas costumam cumprimentar-se com “Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei“, e despedir-se com “Amor é a lei, amor sob vontade“. Segundo o Livro da Lei, “A palavra da Lei é Thelema“, portanto podemos abreviar a frase para 93.

Então:

93! (Thelema = “Faz o que tu queres há de ser tudo da Lei”)

93,93/93 (Lei,Thelema/Agape – onde o 93 inicial simbolizaria Agape=Lei, ou amor é a lei, e a segunda parte Agape sob (i.e. abaixo de) vontade, ou “amor sob vontade”)

Operação Guemátrica

Θελημα (Thelema):

Θ (Theta) – 9
ε (Epsilon) — 5
λ (Lambda) — 30
η (Eta) — 8
μ (Mu) — 40
α (Alfa) — 1

9+5+30+8+40+1 = 93

 Aγαπη (Agape):

A (Alfa) — 1
γ (Gama) — 3
α (Alfa) — 1
π (Pi) — 80
η (Eta) — 8

1+3+1+80+8 = 93

Khabs am Pekht: a Instrução
“Todos aqueles que aceitaram a Lei deveriam proclamar o mesmo no trato diário. “Faze o que tu queres há o ser o todo da Lei” deve ser a forma invariável de saudação. Estas palavras, especialmente, no caso de estranhos, devem ser pronunciadas em voz clara, firme e articulada, com os olhos francamente fixos no portador. Se o outro for dos nossos, deixe-o replicar “Amor é a lei , amor sob vontade” A última sentença também deve ser usada como a saudação de despedida. Ao escrever, sempre que a saudação seja usual, deveria ser como acima: aberta “Faze o que tu queres há de ser o todo da Lei” e fechada “Amor é a lei, amor sob vontade” .”

(Aleister Crowley)

Fonte: Ocultura

Quem é você?

Olá a todos, me chamo Hamilton, sou o novo colunista do blog, neste meu primeiro post vou falar sobre uma divagação que tive sobre o que somos e nossa personalidade.

É fato que somos todos diferentes, cada um tem sua personalidade, ela nos difere dos demais seres humanos do planeta, mas o que é a personalidade? É simplesmente o resultado de nossas experiências, todas elas. Por exemplo: quando criança tive uma família bem estruturada, se eu tivesse perdido meu pai, isso acarretaria uma mudança drástica em minha personalidade, pois fatalmente teria de assumir o papel de “HOMEM DA CASA” cuidar de minha mãe e de meu irmão. Se quem tivesse morrido fosse minha mãe, com certeza eu teria de assumir um papel diferente.

Quando criança tive um cachorro, o que me fez gostar de animais. E se ao invés de ter um cachorro algum tivesse me atacado? Com certeza eu teria receio quando encontrasse outro na rua. Portanto, somos o que vivemos, a nossa vida nos molda para que cheguemos onde estamos hoje.

Eu poderia ter escolhido ser um ator, mas não escolhi. Quando vou ao mercado prefiro comprar chocolate branco e não ao leite, porque sou assim, minha vida me moldou assim.

Se num belo dia de sol eu perdesse a memória, amnésia total, quem eu seria?

Todas as minhas experiências foram simplesmente “deletadas” de meu cérebro, tudo aquilo que me moldou se foi.

Mesmo assim eu não seria uma pessoa vazia, seria simplesmente como voltar à estaca zero, voltaria a minha essência, a quem realmente sou.

Mas quem é esta pessoa? Eu gostaria de animais? Iria preferir chocolate branco ou ao leite, ou teria novamente a chance de decidir qual prefiro?

Eu não seria influenciado pela sociedade, quais seriam minhas necessidades e vontades?

Estaria escrevendo neste blog ou seria um evangélico fervoroso? A sequência de fatores que me fizeram tomar este caminho não existiria mais.

Mas de onde vem esta nova personalidade?

De acordo com os Kardecistas, ela seria o resultado total de minhas vidas anteriores, seria tudo que eu já vivenciei em todas minhas encarnações, ou seja, tudo o que aprendi, toda a evolução que tive foi aglomerada numa só personalidade, formando assim meu verdadeiro eu.

Os umbandistas diriam que esta nova personalidade seria o resultado dos Orixás que tenho em minha coroa, cada Orixá tem sua vibração e seu arquétipo, até os 12 anos aproximadamente vivi sob influência do Orixá que era meu “Olorí” em minha vida passada, após esta idade assumi os traços dos Orixás designados a orientar meu caminho nesta encarnação.

Agora eu pergunto: você sabe mesmo quem você é?

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.